#ASTRONOMIA: Por que a Índia deve ajudar a formar normas para atividades no espaço

Por que a Índia deve ajudar a formar normas para atividades no espaço
A Índia pode promover a criação de um regime mais abrangente para a utilização do espaço ultraterrestre de diversas formas.
Os últimos anos foram inovadores para o Programa Espacial indiano. Em 2014, sua primeira missão interplanetária, Mangalyaan, entrou em órbita de Marte, colocando a Organização de Pesquisas Espaciais da Índia (ISRO) no grupo selecionado de agências espaciais para chegar a Marte, e a primeira a ter sucesso ao entrar na órbita na primeira tentativa. Em 2015, a agência lançou seu primeiro observatório espacial, Astrosat, com o objetivo de observar planetas distantes e objetos astronômicos, uma tecnologia de primeira classe dominada por poucos países. No ano passado, a Índia também estabeleceu um recorde ao lançar 20 satélites ao mesmo tempo, muitos de outros países. No entanto, a Índia poderia ir um passo adiante no negócio espacial e se envolver em uma atividade muito mais gratificante para suas ambições: assumir a liderança na elaboração de normas para atividades espaciais.
Como a ISRO alcançou um novo recorde mundial em fevereiro - o lançamento de 104 satélites em um único foguete - o primeiro-ministro Narendra Modi deve considerar dar novo foco à diplomacia em torno do uso do espaço. A Índia não tem sido muito activa nos esforços internacionais em curso para actualizar o regime do espaço exterior. Não apoiou a proposta da União Europeia para um Código de Conduta para as Actividades do Espaço Exterior e também observou em silêncio enquanto a China e a Rússia uniram esforços para emitir um projecto de tratado sobre a prevenção da colocação de armas no espaço. No entanto, se a Índia pretende um maior reconhecimento no cenário internacional, é hora de assumir uma postura mais pró-ativa na criação de novas normas e regras na governança global.
O regime espacial internacional existente inclui vários tratados ultrapassados ​​- principalmente o Tratado do Espaço Exterior de 1967 eo Tratado de Lua de 1979. Estes documentos não abordam questões urgentes para a exploração espacial de hoje, incluindo a proibição de ensaios de armas não nucleares no espaço ea A criação de detritos de risco da destruição de velhos satélites. A entrada de novos atores, especificamente no setor de comunicações espaciais, torna cada vez mais difícil coordenar o posicionamento de novos satélites em uma órbita já superlotada. Além disso, ainda é desconhecido como esses novos atores - incluindo China e Índia - se comportarão no espaço: se eles escolherão seguir o uso pacífico do espaço, ou se a militarização será seu caminho.
É crucial para a Índia para trabalhar activamente para novas normas no cenário atual, por uma variedade de razões. Primeiro, a Índia precisa considerar seus interesses de segurança nacional. O vácuo criado pelo lento crescimento dos EUA e da Rússia nas capacidades espaciais está sendo preenchido pela China, cujas intenções não são totalmente claras. Em 2007, Pequim lançou uma arma anti-satélite (ASAT) para destruir um antigo satélite. Este movimento, não previamente notificado à comunidade internacional, não só produziu milhares de detritos nocivos em órbita, como também evidenciou a crescente capacidade militar da China. Se a Índia quiser restringir as atividades chinesas potencialmente prejudiciais no espaço exterior, precisa endossar regras que se ajustem aos seus interesses nacionais.
A Índia também precisa promover a regulamentação das atividades espaciais para melhorar sua cooperação com outras nações que operam no espaço - possivelmente incluindo a China, se os dois países decidirem pela cooperação em vez da concorrência.Os sectores vitais da economia, como as finanças e as comunicações, dependem das tecnologias espaciais, o que torna a cooperação essencial para os países num mundo globalizado. A Índia está orgulhosa da indigeneidade de sua tecnologia espacial, mas é hora de se envolver em compartilhamento de tecnologia e acordos comerciais com outros países. As tecnologias espaciais são estimulantes econômicos e ferramentas úteis nas atividades de comunicação, gerenciamento de recursos e prevenção de desastres, que são recursos essenciais para economias emergentes como a Índia.
Mais importante ainda, engajar-se e comprometer-se com a criação de um novo quadro de governança espacial projetariam a Índia como uma agenda-setter em um campo de importância crescente para as relações internacionais. Como em outros domínios da governança global, o futuro da pesquisa espacial está nas mãos da Ásia.
A Índia pode promover a criação de um regime mais abrangente para a utilização do espaço ultraterrestre de diversas formas. É possível, por exemplo, iniciar discussões em organizações como os BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), IBSA (Índia, Brasil, África do Sul) e a Organização de Cooperação de Xangai. A Índia também pode participar ativamente de fóruns já existentes, como o Comitê das Nações Unidas para a Utilização do Espaço Exterior com Fins Pacíficos e as discussões em andamento da União Européia sobre a criação de um código de conduta.
O Tratado do Espaço Exterior festeja seu 50º aniversário este ano; 2017 pode ser um bom ano para a Índia começar uma campanha ativa para uma atualização no regime espacial. Pode ser difícil para a Índia construir uma nova instituição internacional ou criar tratados juridicamente vinculativos, mas pode trabalhar na promoção e criação de novas convenções, acordos de cooperação e normas consensuais.
Fontes links
Compartilhe este artigo
Custom Search

Mais Populares

 
Copyright © 2014 UFO OVNI E CONSPIRAÇÕES • All Rights Reserved.
Template Design by ORIGINAIS OADM • Powered by Blogger
back to top