Mostrando postagens com marcador NASA. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador NASA. Mostrar todas as postagens

TOP SECRET: NASA UFOS

Os meios de comunicação UFO em todo o mundo publicam informações diárias sobre a misteriosa presença de objetos não identificados perto da atmosfera da Terra.
São aparentemente artefatos que parecem ser conduzidos por uma agenda autônoma e inteligente. Na verdade, alguns dizem que a mesma inteligência por trás do fenômeno está muito interessada em monitorar ou monitorar as ações e os programas científicos de nossos astronautas no espaço. Por Vicente Fuentes




image


Desde o lançamento do Sputnik-1 em 4 de outubro de 1957, tem sido um sucesso, houve centenas de viagens ao espaço, incluindo vôos do ônibus espacial, satélites geoestacionários orbitais, testes balísticos, viagens sondas interplanetárias, missões científicas de emissão e recepção de todos os tipos de sinais de rádio, programas de análise de efeitos físicos e componentes químicos e até seguidores fascinantes de corpos celestes como cometas e luas além de nossa visão. Um caldeirão científico em que o homem volta a comportar-se como aqueles antigos exploradores e descobridores de terras e continentes ao longo do século XV.
Antes de uma tal variedade de atividades, existe um elemento que une todas e cada uma das missões realizadas pelos poderes da Terra no espaço: o acompanhamento, a presença contínua, qualquer que seja a natureza e intencionalidade de cada incursão, objetos vôo não identificado ou de natureza desconhecida, anomalias impossíveis de explicar do ponto de vista científico e racional. Eles são fenômenos luminosos idênticos aos encontrados hoje nos avistamentos de fotos e vídeos que levam centenas de pessoas ao redor do mundo. É o enigma variado do olhar não identificado de perto em todos os nossos passos no espaço.

UM CATÁLOGO MUITO CONVENCIDO
E falamos de variedade, uma vez que o número de amostras em fotografias e vídeos que hoje foram desclassificados ou filtrados, reúne uma série de avistamentos e corpos para cada um mais interessante. A partir de objetos com uma constituição aparentemente mecânica, mais parecidos com os míticos pires voadores dos anos 60 e 70, a estruturas bioluminescentes complexas capazes de se unir e aparecendo e desaparecendo à vontade, em uma espécie de operação de teletransporte quântico por anos luz da tecnologia administrada pelos poderes do mundo. Agora você me vê, agora você não me vê.
Alguns desses corpos foram observados de diferentes perspectivas, em diferentes datas e missões. Outros têm uma curiosa interface orgânica que deixa incógnitas sobre uma possível natureza biológica de parte do fenômeno. Embora também tenham sido observados observações que sugerem um desejo especial de operações de transferência de matéria e energia entre vários objetos, como acontece historicamente nos avistamentos de ovnis ao lado de vulcões e centrais elétricas, como denota certo interesse pelo magnetismo.
Com esta última característica relacionada à energia, começamos nossa jornada pela coisa mais incrível que foi vista além do céu, porque se houver um caso espetacular no mundo dos "OVNIs aos portões da Terra", aconteceu o 25 de Fevereiro de 1996, durante o famoso incidente Tether.
Naquele dia, a 300 km de altura, o ônibus espacial Columbia estava realizando manobras e ações no espaço sobre a vertical do Mali, um país no noroeste da África. E entre eles estava um experimento denominado Tethered Satellite System (TSS-1R), no qual um gerador de eletricidade alongado foi colocado em órbita que aproveitaria o campo magnético da Terra para poder realizar futuras missões. O experimento falhou, já que o gerador de longo comprimento foi quebrado no decorrer das manobras em órbita. Mas, para surpresa do operador de câmera da NASA, naquele mesmo momento, começaram a aparecer dezenas de objetos voadores não identificados em torno do gerador quebrado. Mais uma vez, os OVNI se tornaram interessados ​​em eletricidade novamente, uma vez que o material semicondutor do TSS-1R estava interagindo com a ionosfera gerando eletricidade. Essa interação de energia captou a atenção da inteligência que supostamente habita o fenômeno dos não identificados.
As imagens no espectro infravermelho mostram dois tipos de objetos, alguns menores, semelhantes aos círculos circulares vistos em milhares de vídeos em todo o mundo hoje (a presença de lâmpadas chinesas e meteoritos sendo descartadas naquele momento) e outros maior, semitransparente em forma de círculo com um buraco no meio e uma espécie de entalhe na borda do raio externo, exatamente como visto em outro avistamento da missão STS-80, e também observado em um avistamento de OVNI nas proximidades do estádio Greenpoint na África do Sul após a Copa do Mundo de 2010.

Esses objetos maiores foram identificados ao longo dos anos como um meio possível para o transporte de OVNIs menores ou, pelo menos, diretamente relacionado a aparições em massa de OVNIs. A possível explicação de detritos espaciais ou cristais de gelo que flutuam na atmosfera não concorda com o movimento e mudanças abruptas de direção dos objetos, nem explica a aparência desses círculos semitransparentes estranhos, que, além disso, apresentam uma luz com intensidade variável e com uma cadência que se repete sem cessar. De fato, se olharmos de perto as imagens oficiais da NASA, existe um fluxo interno de energia convectiva dentro dos objetos maiores, uma tecnologia fascinante, quase de ficção científica ... Se não fosse porque apareceu em uma gravação ao vivo da própria agência espacial americana. Objetos com brilho pulsátil, separação e união do mesmo em questão de segundos, mudanças de trajetória com voltas de cento e oitenta graus e, finalmente, censura ao cortar e editar as imagens. Nunca foi conhecido como ou quando o "incidente Tether" terminou.


CENSURA IMPLACÁVEL E é que as incursões realizadas por esses objetos são emitidas praticamente em direto, mas é muito difícil, quase impossível, apreciá-las em sua totalidade. A tesoura nas retransmissões da NASA foi - e continua a ser - uma constante ao longo dos anos, algo que podemos verificar em 29 de novembro de 2014, durante um estranho incidente na ISS. Ou durante a missão STS-115, em setembro de 2006, quando diferentes objetos voadores não identificados cercaram diretamente a estação espacial internacional com formações triangulares, vôos perfeitamente sincronizados e rastreamento remoto.


Neste último episódio, os objetos moveram-se à mesma velocidade que a estação e os ritmos flutuados, mantendo-o rastreável.

Sem dúvida, essa missão foi "especial", porque na decolagem e antes do acoplamento com a ISS houve um avistamento incrível na história da ufologia. Certamente, muitos fãs do fenômeno lembrarão que, quando os astronautas se focalizavam com suas câmeras, a queda do tanque de combustível, que permitia a órbita do ônibus, um objeto voador não identificado e helicoidal apareceu inesperadamente e vive em uma altura de cerca de 250 km.

Nada assim foi visto em órbita. A tensão dentro da ISS aumentou, especialmente porque eles notaram a presença de um objeto que estava certo na trajetória de retorno da balsa. Na verdade, eles foram forçados a adiar a viagem de volta à Terra por 24 horas. Para piorar as coisas, em meio a uma crise, eles também perceberam que um corpo perturbador de geléia, com uma aparência quase orgânica, pode ser visto claramente pelas janelas, enquanto executa diferentes "transformações" em manobras visivelmente inteligentes.

Uma vez que chegaram à Terra e na insistência de muitas mídias americanas, a NASA foi forçada a agendar uma conferência de imprensa para tentar explicar as anomalias. Surpreendentemente, quando foi a vez da intervenção, a astronauta Heidemarie Stefanyhyn-Piper, que estava a bordo daquela missão, desmaiou duas vezes em pleno andamento. Foi uma mera chance, tensão emocional, ou ela chegou às possíveis repercussões se ela contasse o que realmente aconteceu?

Seja como for, a verdade é que esta não era a primeira vez que uma missão de ferry tinha sido interrompida por tais incidentes. Lembre-se da gravação mítica de novembro de 1996, durante a missão STS-80, na qual se podia ver como duas luzes esféricas, uma muito grande e outra menor, se aproximavam até a fusão, característica observada na avistamentos deste tipo de UFOs alegadamente orgânicos desde a década de 1970. Em poucos segundos, objetos mais esféricos começaram a aparecer em cena, cada um com uma velocidade e trajetória diferentes, sem chance de partículas de poeira ou cristais de gelo , uma vez que apresentaram mudanças de velocidade e sentido impossível de acordo com as leis da dinâmica e a física das partículas a essa altura.

Alguns pararam e outros continuaram em movimento. No fundo, ainda havia incandescentes na atmosfera da Terra, produzidos pelo raio de uma tempestade. Em um ponto, um grande orbe pareceu ser disparado do nosso planeta, decolando a uma velocidade surpreendente, um pouco semelhante ao que aconteceu em setembro de 1991 na missão STS-48, com um brilho intenso que antecede uma mudança drástica na trajetória de outro Essas órbitas, com outra decolagem impossível da superfície da Terra. Estas foram espectaculares gravações de infravermelhos com objetos que refletem calor, da mesma forma que o famoso caso da filmagem da força aérea mexicana no caso Campeche de 2004, usando uma câmera infravermelha FLIR. OVNIs a velocidades impossíveis deixando o planeta e outros que entram em sua órbita. Objetos que emitiram calor enquanto faziam suas atividades. Em suma, estávamos testemunhando um tráfego incomum no próprio portão do nosso planeta.

ASTRONAUTS FALA Hoje, os avistamentos continuam a ser produzidos da mesma forma e com a mesma força visual que os mostrados nas gravações dos primeiros anos da década de 1990, e graças ao fato de que, desde março de 2014, a NASA decidiu configurar câmeras focadas na Terra, em direto, de alguns pontos da ISS (emissor em escala global por streaming para todo o mundo), diferentes fãs conseguiram gravar imagens controversas de objetos que parecem se aproximar da estação espacial internacional. Tudo isso, é claro, antes que a emissão seja cortada e substituída por uma tela azul citando "problemas técnicos" ... Essa mesma "tela" geralmente aparece sempre que ocorrem casos como 12 de junho de 2014, quando, de uma perspectiva zênite e focalizando-se perpendicular à costa do Brasil, Corpos luminosos não deixaram de aparecer a uma altura inferior à da ISS. Havia mesmo duas esferas juntas, semelhantes às que poderiam ser fotografadas durante as missões STS-119 e STS-108, ou também aquelas observadas durante a missão Gemini XII (capturada por Buzz Aldrin, que já havia fotografado um evento similar durante a missão Apollo XI, à chegada do primeiro homem à Lua). O mais interessante é que esses tipos de eventos não são uma flor do dia. Os mesmos objetos parecem seguir o homem em seu tornar-se pelo espaço em momentos diferentes. que já havia fotografado um evento similar durante a missão Apollo XI, na chegada do primeiro homem na Lua). O mais interessante é que esses tipos de eventos não são uma flor do dia. Os mesmos objetos parecem seguir o homem em seu tornar-se pelo espaço em momentos diferentes. que já havia fotografado um evento similar durante a missão Apollo XI, na chegada do primeiro homem na Lua). O mais interessante é que esses tipos de eventos não são uma flor do dia. Os mesmos objetos parecem seguir o homem em seu tornar-se pelo espaço em momentos diferentes.


Ocasionalmente, este tipo de eventos são testemunhados pelos membros da tripulação da NASA, da ESA e da Agência Espacial Russa, como evidenciado por declarações de homens como Edgar Mitchel (que fez uma codificação impressionante AS14-66-9344 onde um objeto pentagonal de cor azul é visto na missão Apollo 14) ou, mais recentemente, Leroy Chiao, que afirmou ter sido encontrado em 2005 com uma série de objetos desconhecidos a 370 quilômetros da Terra quando ele estava trabalhando na instalação de uma antena de navegação na parte externa da ISS. De acordo com suas afirmações, em um ponto ele observou "algumas luzes que pareciam estar em linha reta", enfatizando que isso parecia algo totalmente fora do comum. Até hoje, a NASA não negou nem explicou as afirmações de Chiao.

Um evento muito semelhante ao anterior ocorreu em abril de 2001, durante a missão STS-100. Kent Rominger astronautas Jeffrey Ashby, Yuri V. Lonchakov, Scott F. Parazynski, Umberto Guidoni, Chris Hadfield e John L. Phillips estavam prestes a levar a cabo as operações necessárias para a instalação do braço robótico Canadarm, um dispositivo que iria construir a estação atual espaço. De repente, em uma de suas muitas órbitas a 320 quilômetros de altura, o astronauta Hadfield preparou-se para fotografar a Terra na passagem da estação sobre a vertical do Egito, com 51,6 graus de inclinação. A surpresa chegou quando, mais tarde, verificou que a fotografia STS100-708A-48 mostrou exatamente a mesma anomalia que anos depois comentou seu homólogo Leroy Chiao. Essas luzes impossíveis no arquivo indiano pareciam constituir, como vemos, um fenômeno recorrente. E é curioso, porque seja intencional ou não tal presença, esse tipo de objetos não param de aparecer nas imagens fornecidas por todas as missões. Por exemplo, ocorreu em 16 de agosto, 2013, durante uma caminhada espacial prolongada por dois cosmonautas russos, Fyodor Yurchikhin e Aleksandr Misurkin, que enquanto eles estavam realizando seu trabalho de reparo em órbita, um incidente UFO estranho emitindo uma luz muito intensa de repente entrou furtivamente nas gravações - especificamente no canto inferior direito da imagem - mostrando algumas das chaves do fenômeno: aceleração e desaceleração, aerodinâmica impossível, piscando e até mesmo interferência de áudio nas transmissões do NASA. porque seja intencional ou não tal presença, esses tipos de objetos não deixam de aparecer nas imagens fornecidas por todas as missões. Por exemplo, ocorreu um incidente no dia 16 de agosto de 2013, durante uma longa caminhada espacial por dois cosmonautas russos, Fyodor Yurchikhin e Alexander Misurkin, em que, enquanto realizavam seus reparos em órbita, um estranho UFO emitindo uma luz muito brilhante, de repente furtivamente em gravações -Especificamente no quadrante inferior direito da imagem-, mostrando alguns dos fenômenos chave: aceleração deleceleración, aerodinâmica impossível, flicker e mesmo interferências em transmissões de áudio de NASA. porque seja intencional ou não tal presença, esses tipos de objetos não deixam de aparecer nas imagens fornecidas por todas as missões. Por exemplo, ocorreu um incidente no dia 16 de agosto de 2013, durante uma longa caminhada espacial por dois cosmonautas russos, Fyodor Yurchikhin e Alexander Misurkin, em que, enquanto realizavam seus reparos em órbita, um estranho UFO emitindo uma luz muito intensa de repente entrou furtivamente nas gravações - especificamente no quadrante inferior direito da imagem - mostrando algumas das chaves do fenômeno: aceleração e desaceleração, aerodinâmica impossível, piscando e até interferência no áudio das transmissões da NASA.


Um encontro semelhante ocorreu durante a missão STS-74, especificamente, enquanto alguns reparos foram realizados na antiga estação espacial MIR.

O mesmo tipo de objetos foram vistos mesmo durante o acidente do ônibus espacial do Challenger de 1986, aparecendo em uma gravação caseira tirada da Terra por várias testemunhas oculares, que assistiram quando essas esferas misteriosas de ingravidez fizeram sentir a sua presença quando as nuvens da gigantesca explosão começou a se expandir.

Outra das aparências enigmáticas desta tecnologia remonta a 11 de setembro de 2001, quando os astronautas da ISS puderam apanhar uma anomalia na Ilha de Manhattan, momentos após o colapso da Torre 1 do World Trade Center. Neste caso, parecia uma reunião de esferas praticamente fundidas e perfeitamente visíveis dos alvos de câmera da NASA, que imortalizaram o evento que mudou o curso da história.

OVNIS METAMÓRFICO Embora, por exemplo, o OVNI em tempos de crise, possamos o da missão Apollo XIII, que caiu na história para todos os problemas que sofreram esses astronautas, incidentes derivados da explosão de um tanque de oxigênio apenas dois dias após a decolagem, evento que desativou o módulo de serviço no qual o módulo de comando dependia. Durante o tempo em que ficaram no espaço, os membros da missão conseguiram tirar fotos diferentes antes de começarem a ter problemas. A surpresa veio ao estudar uma dessas imagens, a saber, a AS13-61-8775, que mostrou uma tomada da superfície lunar ... Mas também um estranho corpo de luz azulada que parecia estar liberando algum material da mesma cor, em uma operação que foi visto em dezenas de casos de OVNIs leves em nosso planeta. Aparentemente,

Mas o assunto não termina aqui. Algo semelhante a essa aparição pode ser visto em um momento anterior. Porque, se analisarmos outra fotografia tirada na viagem de ida e volta muito próxima da Lua, especificamente a AS13-61-8736, podemos observar uma aproximação excepcional do nosso satélite, que distingue claramente um impressionante objeto voador identificado com tons avermelhados. Quanto ao OVNI, é interessante notar a falta de simetria e a presença de diferentes densidades no corpo do mesmo. Na verdade, esse objeto é um dos mais raros na história da ufologia.

Além disso, há outra fotografia curiosa realizada durante esta missão, a AS13-61-8875, em que, em primeiro lugar, são observados três corpos em formação triangular de cor azul escuro, algo muito incomum na ufologia, levando em consideração que, em Na mesma cena você vê duas estruturas cilíndricas que não deveriam estar lá também. Para piorar as coisas, o conjunto de objetos produziu uma pareidolia impressionante: um rosto gigantesco que parecia sorrir do espaço. Por outro lado, mas na mesma tomada e flutuando quase na mesma altura, encontramos uma anomalia em forma de lágrima e um núcleo interno completamente definido, turquesa.

Poderíamos falar sobre o mesmo fenômeno dos OVNIs tipo "cobra" ou Ebani (acrônimo para entidades biológicas Air não identificados), mas desta vez com uma forma particularmente contorcida como dobrada sobre si mesma.


Esses objetos foram detectados em áreas do México e os EUA e especulações de que estariam relacionados com enormes aglomerados de esferas.

Outro dos avistamentos anômalos desses estranhos corpos alongados perto da Terra é aquele que pode ser visto em uma fotografia da NASA de uma bela aurora boreal, datada de 2003, e cuja codificação oficial é ISS006-377-9 . Esta é uma fotografia desclassificada pela NASA, levada praticamente em órbita polar, na qual você pode ver uma série de pontos que mostram uma intensidade de luz incomum, mas sem refletir a luz da Terra. Formada por diferentes núcleos, esse objeto múltiplo pareceu ser integrado pela mesma tecnologia que caracteriza os OVNIs luminosos, mas com uma estrutura alongada muito semelhante à do EBANI. Uma autêntica maravilha de vôo não identificada.

Outra dessas estruturas incríveis pode ser vista no AS11-40- 5867, a descida de Buzz Aldrin para a Lua em 20 de julho de 1969. A certa distância, na escuridão, esse estranho corpo observou os primeiros passos do homem em uma estrela que não era a Terra. Mudando os tempos e as perspectivas, temos um exemplo muito significativo em 14 de setembro de 2008, às 23 horas e 41 minutos, na fronteira entre a Ucrânia, a Bielorrússia e a Polônia. Esta é uma fotografia tirada da estação espacial internacional com 343 quilômetros de altura, especificamente na órbita número 266 da missão. Um astronauta da NASA fez uma série de fotografias, agora surpreendentemente desclassificadas, nas quais corpos estranhos parecem multicolores relacionados ao fenômeno do EBANI.


Da mesma forma, na fotografia ISS020-E-025116, de 26 de julho de 2009, uma anomalia de características semelhantes apareceu durante um experimento realizado no ônibus espacial Endeavour.

QUANDO A LUZ É SÓLIDA Estes tipos de avistamentos, sem dúvida, destacam a evolução do fenômeno OVNI para uma forma mais orgânica, menos identificável e mais volátil. Embora esta não seja a aparência mais estranha do fenômeno ...

Além desta tecnologia de "luz sólida", conforme definido pelo pesquisador JJ Benitez na década de 1970, o fenômeno dos OVNIs nos portões da Terra fornece maravilhas reais que podem ultrapassar nossa imaginação. Um deles foi capturado em abril de 1981, quando a missão TS001-10-52 orbitou a vertical do Texas e a uma altura de 214 km. A descrição mais precisa do objeto foi o que o definiu como "uma esfera de mercúrio gigante no espaço", uma aparência semelhante à apresentada por indivíduos não identificados fotografados da Holanda em 2012 e da Rússia em 2001, também descrito como "metal líquido" '.

Os OVNI em forma de coração também foram observados, como o apresentado em uma imagem capturada durante a missão STS-104 em julho de 2001, quando orbitou o deserto do Saara. À primeira vista, um corpo cuja estrutura externa aparece translúcida é observado nessa saída, uma vez que uma massa secundária com uma abertura tripla no centro é adivinhada dentro.

Outra fotografia, a saber, o STS104-708-80, capturado em 19 de julho de 2001 na vertical da China, mostra em seu quadrante superior esquerdo outra anomalia de características semelhantes; isto é: uma estrutura aparentemente orgânica com três focos luminosos em seu interior, rodeada por uma espécie de material escuro que faz interface com uma massa translúcida, semelhante ao que vimos no objeto com forma de água-viva da missão STS -115. E há outras anomalias notáveis ​​dentro da série de OVNIs no espaço, como as que aparecem nas fotografias da missão Apollo 8. Existem vários objetos irregulares sem forma definida, mais como um tubérculo com raízes do que para a imagem que temos de uma nave espacial, terrestre ou não.

Outra das anomalias mais marcantes do fenômeno surgiu durante a missão STS-4 de 1982, onde um objeto com forma de olho e cores pretas, laranjas e amarelas poderia ser visto na perpendicular do Egito e a uma altura de 365 km. Até à data, ainda não há explicações da NASA sobre a natureza dessa imagem única, cujo código de referência é STS004-38-794. Também é extraordinário o STS-112-712-028, feito do shuttle Atlantis em outubro de 2002, no qual existe uma estrutura circular da mesma cor azul que vimos no "rosto" do Apollo XIII. As semelhanças terminam aqui, pois este objeto simétrico tem uma forma que se assemelha a concepções modernas de buracos negros. Praticamente a mesma aparência - embora com cores diferentes - poderia ser distinguida no soquete AS08-14-2534 do programa Apollo 8,

SATURN: UM PLANETA SOB CONSTRUÇÃO Todas essas imagens são realmente impressionantes, mas às vezes o aparecimento de objetos, ainda mais convencionais, pode ser perturbador e ameaçador. Por exemplo, ISS006-E-51300, feito na península arábica em 20 de maio de 2014, no qual aparecem três objetos gigantes flutuando no espaço na curvatura da Terra. Um maior e os outros dois menores. Uma cena escura, nunca explicada, com objetos enormes e de tamanho semelhante ao do famoso OVNI de Manchester de 1966. Outro objeto estranho e curioso onde está o que aparece em um tiro do apolo 17, a saber, AS17- 134-20455, onde há uma estrutura tubular verde com dois apêndices apontados. Algo impossível, inclassificável, entrou furtivamente na última visita à lua pelo homem.


Apesar da imagem alucinaca, foi ignorada pela comunidade científica. Terminando este bloco, é possível enfatizar um dos avistamentos mais incríveis do espaço, realizado em outubro de 1968 no quadro das operações do Apollo 7. Um dos tiros, concretamente o AS07-8-1919, mostrou uma esfera incomum com iluminação seu próprio volume e volume perfeitamente definido, bem como uma protuberância impressionante no equador do mesmo, o que lhe deu um aspecto de noz, semelhante ao satélite Japetto de Saturno.

E há muitos outros membros neste catálogo do estranho. Como pode ser visto a partir dos tiros AS09-19-2916 e AS09-19-2917 da missão Apollo 9, onde você pode apreciar os UFO clássicos e puros em forma de charuto durante uma aproximação à superfície lunar. Os avistamentos misteriosos no espaço não terminam aqui. Por exemplo, não queremos ignorar o enigma que surgiu sobre várias fotografias capturadas pela Voyager 1 em sua missão a Saturno, imagens que foram estudadas pelo engenheiro Norman Bergrun, autor de The Ringmakers of Saturn (The Builders of the rings of Saturn) , um livro muito controverso publicado em 1996. O trabalho do Dr. Bergrun centrou-se em uma série de fotografias nas quais os anéis de Saturno estavam supostamente sendo construídos por objetos não identificados.


Um desses supostos objetos mediria 50.000 km de comprimento, ou seja, mais de quatro vezes o diâmetro da Terra. Não há nada.

De acordo com Bergrun, um ex-assessor da NASA, essa informação explosiva foi classificada como o segredo superior por seus superiores, e depois se referiu ao Departamento de Defesa dos EUA.

Além disso, Bergrun afirmou que o Telescópio Espacial Hubble teria conseguido disparos diferentes no espectro infravermelho, onde a presença de um objeto cilíndrico de dimensões colossais seguiria claramente seguindo uma trajetória perfeitamente definida na periferia de um dos anéis. De fato, em sua luta para desclassificar e tentar explicar o quebra-cabeça, o controverso Bergrun tornou público algumas imagens da nave espacial Cassini 2007, que mostrava - sempre de acordo com sua opinião - navios de dimensões enormes ao lado dos anéis de Saturno, supostamente coletando vários materiais, como minerais e outros. Daí o termo "ringmakers".

Ao longo dos anos, Bergrun classificou e divulgou muitas outras fotografias próximas à órbita de Saturno, onde também há uma série de anomalias constituídas por objetos cilíndricos que entram, permanecem e deixam o anel externo do planeta. Nesse sentido, as imagens fornecidas pela nave espacial Cassin-Huygens em 20 de novembro de 2007 - também desclassificadas pela NASA-show, na visão de Bergrun, um objeto que inicia uma ignição repentina do plasma e viaja pela superfície do anel E de Saturno a uma distância de 1.741.354 Km.

No decorrer desta investigação provocativa, em 7 de junho de 2010, a web space.com relatou estruturas gigantes com forma cilíndrica descobertas nos anéis de Saturno, objetos que seriam confundidos com as luas deste planeta. Aparentemente, a NASA ainda tentaria determinar a órbita desses objetos impossíveis e tentando descobrir por que a maioria deles aparece no enigmático anel F. As últimas notícias sobre essa questão espinhosa apareceram em 24 de abril de 2012, quando a agência Europa Presslançou fotografias da NASA acompanhadas por uma legenda, que mostrou que, de acordo com dados da nave espacial Cassini, a agência dos EUA descobriria objetos estranhos com cerca de 800 metros de diâmetro perfurando um dos anéis de Saturno e deixando trilhas brilhantes atrás deles ... Alguns cientistas chamaram esses minijets de "objetos" e, até hoje, sabemos que depois de estudar mais de 20 mil imagens desta área de Saturno, foram encontrados 500 exemplos desse fenômeno. ao longo dos 7 anos de permanência da Cassini na órbita deste planeta. Esses objetos aparentam atingir o anel F em velocidades de cerca de 2 metros por segundo. As colisões transportam partículas brilhantes de gelo do anel F,

Neste relatório, analisamos os melhores avistamentos de ovnis no espaço, mas existem centenas de casos que foram deixados de fora. Até hoje, qualquer pessoa pode mergulhar nos servidores da NASA, tentar ampliar os tiros e encontrar novas anomalias nas fotografias que fizeram desta etapa da história um tempo de descobertas científicas no espaço ... inclusive objetos impossíveis que flutuam nos portões da terra. Na verdade, você pode ser a próxima pessoa a descobrir algumas novas evidências desses OVNIs que parecem acompanhar cada uma das missões dos programas espaciais e que são descaradamente exibidos com um interesse aparente em conhecer ou controlar as ações dos astronautas no espaço mais próximo da Terra. Ou, pelo menos, sair na foto.
-
leia mais...

TOP SECRET: NASA UFOS

image
Os meios de comunicação UFO em todo o mundo publicam informações diárias sobre a misteriosa presença de objetos não identificados perto da atmosfera da Terra. São aparentemente artefatos que parecem ser conduzidos por uma agenda autônoma e inteligente. Na verdade, algumas pessoas dizem que a mesma inteligência por trás do fenômeno está muito interessada em monitorar ou monitorar as ações e programas científicos de nossos astronautas no espaço. Por Vicente Fuentes
TRADUÇÃO GOOGLE
Desde o lançamento do Sputnik-1 em 4 de outubro de 1957, tem sido um sucesso, houve centenas de viagens ao espaço, incluindo vôos do ônibus espacial, satélites geoestacionários orbitais, testes balísticos, viagens sondas interplanetárias, missões científicas de emissão e recepção de todos os tipos de sinais de rádio, programas de análise de efeitos físicos e componentes químicos e até seguidores fascinantes de corpos celestes como cometas e luas além de nossa visão. Um caldeirão científico em que o homem volta a comportar-se como aqueles exploradores e descobridores de terras e continentes ao longo do século XV.
Antes de uma tal variedade de atividades, existe um elemento que une todas e cada uma das missões realizadas pelos poderes da Terra no espaço: o acompanhamento, a presença contínua, qualquer que seja a natureza e intencionalidade de cada incursão, objetos vôo não identificado ou de natureza desconhecida, anomalias impossíveis de explicar do ponto de vista científico e racional. Eles são fenômenos luminosos idênticos aos encontrados hoje nos avistamentos de fotos e vídeos que levam centenas de pessoas ao redor do mundo. É o enigma variado do olhar não identificado de perto em todos os nossos passos no espaço. UM CATÁLOGO MUITO CONVENCIDO


E falamos de variedade, uma vez que o número de amostras em fotografias e vídeos que hoje foram desclassificados ou filtrados, reúne uma série de avistamentos e corpos para cada um mais interessante. A partir de objetos com uma constituição aparentemente mecânica, mais parecidos com os míticos pires voadores dos anos 60 e 70, a estruturas bioluminescentes complexas capazes de se unir e aparecendo e desaparecendo à vontade, em uma espécie de operação de teletransporte quântico por anos luz da tecnologia administrada pelos poderes do mundo. Agora você me vê, agora você não me vê.
Alguns desses corpos foram observados de diferentes perspectivas, em diferentes datas e missões. Outros têm uma curiosa interface orgânica que deixa incógnitas sobre uma possível natureza biológica de parte do fenômeno. Embora também tenham sido observados observações que sugerem um desejo especial de operações de transferência de matéria e energia entre vários objetos, como acontece historicamente nos avistamentos de ovnis ao lado de vulcões e centrais elétricas, como denota um certo interesse pelo magnetismo.
Com esta última característica relacionada à energia, começamos nossa jornada pela coisa mais incrível que foi vista além do céu, porque se houver um caso espetacular no mundo dos "OVNIs aos portões da Terra", aconteceu o 25 de Fevereiro de 1996, durante o famoso incidente Tether.
Naquele dia, a 300 km de altura, o ônibus espacial Columbia estava realizando manobras e ações no espaço sobre a vertical do Mali, um país no noroeste da África. E entre eles estava um experimento denominado Tethered Satellite System (TSS-1R), no qual um gerador de eletricidade alongado foi colocado em órbita que aproveitaria o campo magnético da Terra para poder realizar futuras missões. O experimento falhou, já que o gerador de longo comprimento foi quebrado no decorrer das manobras em órbita. Mas, para surpresa do operador de câmera da NASA, naquele mesmo momento, começaram a aparecer dezenas de objetos voadores não identificados em torno do gerador quebrado. Mais uma vez, os OVNI se tornaram interessados ​​em eletricidade novamente, uma vez que o material semicondutor do TSS-1R estava interagindo com a ionosfera gerando eletricidade. Essa interação de energia captou a atenção da inteligência que supostamente habita o fenômeno dos não identificados.
As imagens no espectro infravermelho mostram dois tipos de objetos, alguns menores, semelhantes aos círculos circulares vistos em milhares de vídeos em todo o mundo hoje (a presença de lâmpadas chinesas e meteoritos sendo descartadas naquele momento) e outros maior, semitransparente em forma de círculo com um buraco no meio e uma espécie de entalhe na borda do raio externo, exatamente como visto em outro avistamento da missão STS-80, e também observado em um avistamento de OVNI nas proximidades do estádio Greenpoint na África do Sul após a Copa do Mundo de 2010.
Esses objetos maiores foram identificados ao longo dos anos como um meio possível para o transporte de OVNIs menores ou, pelo menos, diretamente relacionado a aparições em massa de OVNIs. A possível explicação de detritos espaciais ou cristais de gelo que flutuam na atmosfera não concorda com o movimento e mudanças abruptas de direção dos objetos, nem explica a aparência desses círculos semitransparentes estranhos, que, além disso, apresentam uma luz com intensidade variável e com uma cadência que se repete sem cessar. De fato, se olharmos de perto as imagens oficiais da NASA, existe um fluxo interno de energia convectiva dentro dos objetos maiores, uma tecnologia fascinante, quase de ficção científica ... Se não fosse porque apareceu em uma gravação ao vivo da própria agência espacial americana. Objetos com brilho pulsátil, separação e união do mesmo em questão de segundos, mudanças de trajetória com voltas de cento e oitenta graus e, finalmente, censura ao cortar e editar as imagens. Nunca foi conhecido como ou quando o "incidente Tether" terminou.
CENSURA IMPLACÁVEL E é que as incursões realizadas por esses objetos são emitidas praticamente em direto, mas é muito difícil, quase impossível, apreciá-las em sua totalidade. A tesoura nas retransmissões da NASA foi - e continua a ser - uma constante ao longo dos anos, algo que podemos verificar em 29 de novembro de 2014, durante um estranho incidente na ISS. Ou durante a missão STS-115, em setembro de 2006, quando diferentes objetos voadores não identificados cercaram diretamente a estação espacial internacional com formações triangulares, vôos perfeitamente sincronizados e rastreamento remoto.
Neste último episódio, os objetos moveram-se à mesma velocidade que a estação e os ritmos flutuados, mantendo-o rastreável.
Sem dúvida, essa missão foi "especial", porque na decolagem e antes do acoplamento com a ISS houve um avistamento incrível na história da ufologia. Certamente, muitos fãs do fenômeno lembrarão que, quando os astronautas se focalizavam com suas câmeras, a queda do tanque de combustível, que permitia a órbita do ônibus, um objeto voador não identificado e helicoidal apareceu inesperadamente e vive em uma altura de cerca de 250 km.
Nada assim foi visto em órbita. A tensão dentro da ISS aumentou, especialmente porque eles notaram a presença de um objeto que estava certo na trajetória de retorno da balsa. Na verdade, eles foram forçados a adiar a viagem de volta à Terra por 24 horas. Para piorar as coisas, em meio a uma crise, eles também perceberam que um corpo perturbador de geléia, com uma aparência quase orgânica, pode ser visto claramente pelas janelas, enquanto executa diferentes "transformações" em manobras visivelmente inteligentes.
Uma vez que chegaram à Terra e na insistência de muitas mídias americanas, a NASA foi forçada a agendar uma conferência de imprensa para tentar explicar as anomalias. Surpreendentemente, quando foi a vez da intervenção, a astronauta Heidemarie Stefanyhyn-Piper, que estava a bordo daquela missão, desmaiou duas vezes em pleno andamento. Foi uma mera chance, tensão emocional, ou ela chegou às possíveis repercussões se ela contasse o que realmente aconteceu?
Seja como for, a verdade é que esta não era a primeira vez que uma missão de ferry tinha sido interrompida por tais incidentes. Lembre-se da gravação mítica de novembro de 1996, durante a missão STS-80, na qual se podia ver como duas luzes esféricas, uma muito grande e outra menor, se aproximavam até a fusão, característica observada na avistamentos deste tipo de UFOs alegadamente orgânicos desde a década de 1970. Em poucos segundos, objetos mais esféricos começaram a aparecer em cena, cada um com uma velocidade e trajetória diferentes, sem chance de partículas de poeira ou cristais de gelo , uma vez que apresentaram mudanças de velocidade e sentido impossível de acordo com as leis da dinâmica e a física das partículas a essa altura.
Alguns pararam e outros continuaram em movimento. No fundo, ainda havia incandescentes na atmosfera da Terra, produzidos pelo raio de uma tempestade. Em um ponto, um grande orbe pareceu ser disparado do nosso planeta, decolando a uma taxa surpreendente, semelhante ao que ocorreu em setembro de 1991 na missão STS-48, com um brilho intenso que antecede uma mudança drástica na trajetória de outro estes orbes, com outra decolagem impossível da superfície da Terra. Estas foram espectaculares gravações de infravermelhos com objetos que refletem calor, da mesma forma que o famoso caso da filmagem da força aérea mexicana no caso Campeche de 2004, usando uma câmera infravermelha FLIR. OVNIs a velocidades impossíveis deixando o planeta e outros que entram em sua órbita. Objetos que emitiram calor enquanto faziam suas atividades. Em suma, estávamos testemunhando um trânsito incomum no próprio portão do nosso planeta.
ASTRONAUTS FALA Hoje, os avistamentos continuam a ser produzidos da mesma forma e com a mesma força visual que os mostrados nas gravações dos primeiros anos da década de 1990, e graças ao fato de que, desde março de 2014, a NASA decidiu configurar câmeras focadas na Terra, em direto, de alguns pontos da ISS (emissor em escala global por streaming para todo o mundo), diferentes fãs conseguiram gravar imagens controversas de objetos que parecem se aproximar da estação espacial internacional. Tudo isso, é claro, antes que a emissão seja cortada e substituída por uma tela azul citando "problemas técnicos" ... Essa mesma "tela" geralmente aparece sempre que ocorrem casos como 12 de junho de 2014, quando, de uma perspectiva zênite e focalizando-se perpendicular à costa do Brasil, Corpos luminosos não deixaram de aparecer a uma altura inferior à da ISS. Havia mesmo duas esferas juntas, semelhantes às que poderiam ser fotografadas durante as missões STS-119 e STS-108, ou também aquelas observadas durante a missão Gemini XII (capturada por Buzz Aldrin, que já havia fotografado um evento similar durante a missão Apollo XI, à chegada do primeiro homem à Lua). O mais interessante é que esses tipos de eventos não são uma flor do dia. Os mesmos objetos parecem seguir o homem em seu tornar-se pelo espaço em momentos diferentes. que já havia fotografado um evento similar durante a missão Apollo XI, na chegada do primeiro homem na Lua). O mais interessante é que esses tipos de eventos não são uma flor do dia. Os mesmos objetos parecem seguir o homem em seu tornar-se pelo espaço em momentos diferentes. que já havia fotografado um evento similar durante a missão Apollo XI, na chegada do primeiro homem na Lua). O mais interessante é que esses tipos de eventos não são uma flor do dia. Os mesmos objetos parecem seguir o homem em seu tornar-se pelo espaço em momentos diferentes.
Ocasionalmente, este tipo de eventos são testemunhados pelos membros da tripulação da NASA, da ESA e da Agência Espacial Russa, como evidenciado por declarações de homens como Edgar Mitchel (que fez um impressionante tiro de codificação AS14-66-9344 onde um objeto pentagonal de cor azul é visto na missão Apollo 14) ou, mais recentemente, Leroy Chiao, que afirmou ter sido encontrado em 2005 com uma série de objetos desconhecidos a 370 quilômetros da Terra quando ele estava trabalhando na instalação de uma antena de navegação na parte externa da ISS. De acordo com suas afirmações, em um ponto ele observou "algumas luzes que pareciam estar em linha reta", enfatizando que isso parecia algo totalmente fora do comum. Até hoje, a NASA não negou nem explicou as afirmações de Chiao.
Um evento muito semelhante ao anterior ocorreu em abril de 2001, durante a missão STS-100. Os astronautas Kent Rominger, Jeffrey Ashby, Yuri V. Lonchakov, Scott F. Parazynski, Umberto Guidoni, Chris Hadfield e John L. Phillips estavam prestes a realizar as operações necessárias para a instalação do braço robótico do Canadarm, espaço. De repente, em uma de suas muitas órbitas a 320 quilômetros de altura, o astronauta Hadfield preparou-se para fotografar a Terra na passagem da estação sobre a vertical do Egito, com 51,6 graus de inclinação. A surpresa chegou quando, mais tarde, verificou que a fotografia STS100-708A-48 mostrou exatamente a mesma anomalia que anos depois comentou seu homólogo Leroy Chiao. Essas luzes impossíveis no arquivo indiano pareciam constituir, como vemos, um fenômeno recorrente. E é curioso, porque seja intencional ou não tal presença, esse tipo de objetos não param de aparecer nas imagens fornecidas por todas as missões. Por exemplo, ocorreu um incidente no dia 16 de agosto de 2013, durante uma longa caminhada espacial por dois cosmonautas russos, Fyodor Yurchikhin e Alexander Misurkin, em que, enquanto realizavam seus reparos em órbita, um estranho UFO emitindo uma luz muito intensa de repente entrou furtivamente nas gravações - especificamente no canto inferior direito da imagem - mostrando algumas das chaves do fenômeno: aceleração e desaceleração, aerodinâmica impossível, piscando e até interferência de áudio das transmissões do NASA. porque seja intencional ou não tal presença, esses tipos de objetos não deixam de aparecer nas imagens fornecidas por todas as missões. Por exemplo, ocorreu um incidente no dia 16 de agosto de 2013, durante uma longa caminhada espacial por dois cosmonautas russos, Fyodor Yurchikhin e Alexander Misurkin, em que, enquanto realizavam seus reparos em órbita, um estranho UFO emitindo uma luz muito intensa de repente entrou furtivamente nas gravações - especificamente no quadrante inferior direito da imagem - mostrando algumas das chaves do fenômeno: aceleração e desaceleração, aerodinâmica impossível, piscando e até interferência no áudio das transmissões da NASA. porque seja intencional ou não tal presença, esses tipos de objetos não deixam de aparecer nas imagens fornecidas por todas as missões. Por exemplo, ocorreu um incidente no dia 16 de agosto de 2013, durante uma longa caminhada espacial por dois cosmonautas russos, Fyodor Yurchikhin e Alexander Misurkin, em que, enquanto realizavam seus reparos em órbita, um estranho UFO emitindo uma luz muito intensa de repente entrou furtivamente nas gravações - especificamente no quadrante inferior direito da imagem - mostrando algumas das chaves do fenômeno: aceleração e desaceleração, aerodinâmica impossível, piscando e até interferência no áudio das transmissões da NASA.
Um encontro semelhante ocorreu durante a missão STS-74, especificamente, enquanto alguns reparos foram realizados na antiga estação espacial MIR.
O mesmo tipo de objetos foram vistos mesmo durante o acidente do ônibus espacial do Challenger de 1986, aparecendo em uma gravação caseira tirada da Terra por várias testemunhas oculares, que assistiram quando essas esferas misteriosas de ingravidez fizeram sentir a sua presença quando as nuvens da gigantesca explosão começou a se expandir.
Outra das aparências enigmáticas desta tecnologia remonta a 11 de setembro de 2001, quando os astronautas da ISS puderam apanhar uma anomalia na Ilha de Manhattan, momentos após o colapso da Torre 1 do World Trade Center. Neste caso, parecia uma reunião de esferas praticamente fundidas e perfeitamente visíveis dos alvos de câmera da NASA, que imortalizaram o evento que mudou o curso da história.
OVNIS METAMÓRFICO Embora, por exemplo, UFO em tempos de crise, possamos o da missão Apollo XIII, que caiu na história para todos os problemas que sofreram esses astronautas, incidentes derivados da explosão de um tanque de oxigênio apenas dois dias após a decolagem, qual evento desativou o módulo de serviço no qual o módulo de comando dependia. Durante o tempo em que ficaram no espaço, os membros da missão conseguiram tirar fotos diferentes antes de começarem a ter problemas. A surpresa veio ao estudar uma dessas imagens, a saber, a AS13-61-8775, que mostrou uma tomada da superfície lunar ... Mas também um estranho corpo de luz azulada que parecia estar liberando algum material da mesma cor, em uma operação que foi visto em dezenas de casos de OVNIs leves em nosso planeta. Aparentemente,
Mas o assunto não termina aqui. Algo semelhante a essa aparição pode ser visto em um momento anterior. Porque, se analisarmos outra fotografia tirada na viagem de ida e volta muito próxima da Lua, especificamente a AS13-61-8736, podemos observar uma aproximação excepcional do nosso satélite, que distingue claramente um impressionante objeto voador identificado com tons avermelhados. Quanto ao OVNI, é interessante notar a falta de simetria e a presença de diferentes densidades no corpo do mesmo. Na verdade, esse objeto é um dos mais raros na história da ufologia.
Além disso, há outra fotografia curiosa realizada durante esta missão, a AS13-61-8875, em que, em primeiro lugar, são observados três corpos em formação triangular de cor azul escuro, algo muito incomum na ufologia, levando em consideração que, em Na mesma cena você vê duas estruturas cilíndricas que não deveriam estar lá também. Para piorar as coisas, o conjunto de objetos produziu uma pareidolia impressionante: um rosto gigantesco que parecia sorrir do espaço. Por outro lado, mas na mesma tomada e flutuando quase na mesma altura, encontramos uma anomalia em forma de lágrima e um núcleo interno completamente definido, turquesa.
Podemos falar do mesmo fenômeno de OVNI do tipo "cobra" ou EBANI (sigla de Entidades Biológicas Não Identificadas do Ar), mas desta vez com uma forma especialmente contorcida, como dobrada sobre si mesma.
Esses objetos foram detectados em áreas do México e dos EUA e é especulado que eles estariam relacionados a grandes conglomerados de esferas.
Outro dos avistamentos anômalos desses estranhos corpos alongados perto da Terra é o que pode ser visto em uma fotografia da NASA de uma bela aurora boreal, que data de 2003 e cuja codificação oficial é ISS006-377-9 . Esta é uma fotografia desclassificada pela NASA, levada praticamente em órbita polar, na qual você pode ver uma série de pontos que mostram uma intensidade de luz incomum, mas sem refletir a luz da Terra. Formada por diferentes núcleos, esse objeto múltiplo pareceu ser integrado pela mesma tecnologia que caracteriza os OVNIs luminosos, mas com uma estrutura alongada muito semelhante à do EBANI. Uma autêntica maravilha de vôo não identificada.
Outra dessas estruturas incríveis pode ser vista no AS11-40- 5867, a descida de Buzz Aldrin para a Lua em 20 de julho de 1969. A certa distância, na escuridão, esse estranho corpo observou os primeiros passos do homem em uma estrela que não era a Terra. Mudando os tempos e as perspectivas, temos um exemplo muito significativo em 14 de setembro de 2008, às 23 horas e 41 minutos, na fronteira entre a Ucrânia, a Bielorrússia e a Polônia. Esta é uma fotografia tirada da estação espacial internacional a 343 quilômetros de altura, especificamente na órbita da missão número 266. Um astronauta da NASA fez uma série de fotografias, agora surpreendentemente desclassificadas, nas quais corpos estranhos parecem multicolores relacionados ao fenômeno do EBANI.
Da mesma forma, na fotografia ISS020-E-025116, de 26 de julho de 2009, uma anomalia de características semelhantes apareceu durante um experimento realizado no ônibus espacial Endeavour.
QUANDO A LUZ É SÓLIDA Estes tipos de avistamentos, sem dúvida, destacam a evolução do fenômeno OVNI para uma forma mais orgânica, menos identificável e mais volátil. Embora esta não seja a aparência mais estranha do fenômeno ...
Além desta tecnologia de "luz sólida", conforme definido pelo pesquisador JJ Benitez na década de 1970, o fenômeno dos OVNIs nos portões da Terra fornece maravilhas reais que podem ultrapassar nossa imaginação. Um deles foi capturado em abril de 1981, quando a missão TS001-10-52 orbitou a vertical do Texas e a uma altura de 214 km. A descrição mais precisa do objeto foi o que o definiu como "uma esfera de mercúrio gigante no espaço", uma aparência semelhante à apresentada por indivíduos não identificados fotografados da Holanda em 2012 e da Rússia em 2001, também descrito como "metal líquido" '.
Os OVNI em forma de coração também foram observados, como o apresentado em uma imagem capturada durante a missão STS-104 em julho de 2001, quando orbitou o deserto do Saara. À primeira vista, um corpo cuja estrutura externa aparece translúcida é observado nessa saída, uma vez que uma massa secundária com uma abertura tripla no centro é adivinhada dentro.
Outra fotografia, a saber, o STS104-708-80, capturado em 19 de julho de 2001 na vertical da China, mostra em seu quadrante superior esquerdo outra anomalia de características semelhantes; isto é: uma estrutura aparentemente orgânica com três lâmpadas dentro dela, rodeada por uma espécie de material escuro que faz da interface uma massa translúcida, semelhante ao que vimos no objeto em forma de água-viva da missão STS -115. E há outras anomalias notáveis ​​dentro da série de OVNIs no espaço, como as que aparecem nas fotografias da missão Apollo 8. Existem vários objetos irregulares sem forma definida, mais como um tubérculo com raízes do que para a imagem que temos de uma nave espacial, terrestre ou não.
Outra das anomalias mais marcantes do fenômeno surgiu durante a missão STS-4 de 1982, onde um objeto com forma de olho e cores pretas, laranjas e amarelas poderia ser visto na perpendicular do Egito e a uma altura de 365 km. Até à data, ainda não há explicações da NASA sobre a natureza dessa imagem única, cujo código de referência é STS004-38-794. Também é extraordinário o STS-112-712-028, feito do shuttle Atlantis em outubro de 2002, no qual existe uma estrutura circular da mesma cor azul que vimos no "rosto" do Apollo XIII. As semelhanças terminam aqui, pois este objeto simétrico tem uma forma que se assemelha a concepções modernas de buracos negros. Praticamente a mesma aparência - embora com cores diferentes - poderia ser distinguida no soquete AS08-14-2534 do programa Apollo 8,
SATURN: UM PLANETA SOB CONSTRUÇÃO Todas essas imagens são realmente impressionantes, mas às vezes o aparecimento de objetos, ainda mais convencionais, pode ser perturbador e ameaçador. Por exemplo, ISS006-E-51300, feito na península arábica em 20 de maio de 2014, no qual aparecem três objetos gigantes flutuando no espaço na curvatura da Terra. Um maior e os outros dois menores. Uma cena escura, nunca explicada, com objetos enormes e de tamanho semelhante ao do famoso OVNI de Manchester de 1966. Outro objeto estranho e curioso onde está o que aparece em um tiro do apolo 17, a saber, AS17- 134-20455, onde há uma estrutura tubular verde com dois apêndices apontados. Algo impossível, inclassificável, entrou furtivamente na última visita à lua pelo homem.
Apesar da imagem alucinaca, foi ignorada pela comunidade científica. Terminando este bloco, é possível enfatizar um dos avistamentos mais incríveis do espaço, realizado em outubro de 1968 no quadro das operações do Apollo 7. Um dos tiros, concretamente o AS07-8-1919, mostrou uma esfera incomum com iluminação seu próprio volume e volume perfeitamente definido, bem como uma protuberância impressionante no equador do mesmo, o que lhe deu um certo aspecto de noz, semelhante ao satélite Japetto de Saturno.
E há muitos outros membros neste catálogo do estranho. Como pode ser visto a partir dos tiros AS09-19-2916 e AS09-19-2917 da missão Apollo 9, onde você pode apreciar os UFO clássicos e puros em forma de charuto durante uma aproximação à superfície lunar. Os avistamentos misteriosos no espaço não terminam aqui. Por exemplo, não queremos ignorar o enigma que surgiu sobre várias fotografias capturadas pela Voyager 1 em sua missão a Saturno, imagens que foram estudadas pelo engenheiro Norman Bergrun, autor de The Ringmakers of Saturn (The Builders of the rings of Saturn) , um livro muito controverso publicado em 1996. O trabalho do Dr. Bergrun centrou-se em uma série de fotografias nas quais os anéis de Saturno estavam supostamente sendo construídos por objetos não identificados.
Um desses supostos objetos mediria 50.000 km de comprimento, ou seja, mais de quatro vezes o diâmetro da Terra. Não há nada.
De acordo com Bergrun, um ex-assessor da NASA, essa informação explosiva foi classificada como o segredo superior por seus superiores, e depois se referiu ao Departamento de Defesa dos EUA.
Além disso, Bergrun alegou que o Telescópio Espacial Hubble teria conseguido disparos diferentes no espectro infravermelho, onde a presença de um objeto cilíndrico de dimensões colossais seguiria claramente seguindo um caminho perfeitamente definido na periferia de um dos anéis. De fato, em sua luta para desclassificar e tentar explicar o quebra-cabeça, o controverso Bergrun tornou público algumas imagens da nave espacial Cassini 2007, que mostrava - sempre de acordo com sua opinião - navios de dimensões enormes ao lado dos anéis de Saturno, supostamente coletando vários materiais, como minerais e outros. Daí o termo "ringmakers".
Ao longo dos anos, Bergrun classificou e divulgou muitas outras fotografias próximas à órbita de Saturno, onde também há uma série de anomalias constituídas por objetos cilíndricos que entram, permanecem e deixam o anel externo do planeta. Nesse sentido, as imagens fornecidas pela nave espacial Cassin-Huygens em 20 de novembro de 2007 - também desclassificadas pela NASA-show, na visão de Bergrun, um objeto que inicia uma ignição repentina do plasma e viaja pela superfície do anel E de Saturno a uma distância de 1.741.354 Km.
No decorrer desta investigação provocativa, em 7 de junho de 2010, a web space.com relatou estruturas gigantes com forma cilíndrica descobertas nos anéis de Saturno, objetos que seriam confundidos com as luas deste planeta. Aparentemente, a NASA ainda tentaria determinar a órbita desses objetos impossíveis e tentando descobrir por que a maioria deles aparece no enigmático anel F. As últimas notícias sobre essa questão espinhosa apareceram em 24 de abril de 2012, quando a agência Europa Presslançou fotografias da NASA acompanhadas por uma legenda, que mostrou que, de acordo com dados da nave espacial Cassini, a agência dos EUA descobriria objetos estranhos com cerca de 800 metros de diâmetro perfurando um dos anéis de Saturno e deixando trilhas brilhantes atrás deles ... Alguns cientistas chamaram esses minijets de "objetos" e, até hoje, sabemos que depois de estudar mais de 20 mil imagens desta área de Saturno, foram encontrados 500 exemplos desse fenômeno. ao longo dos 7 anos de permanência da Cassini na órbita deste planeta. Esses objetos aparentam atingir o anel F em velocidades de cerca de 2 metros por segundo. As colisões transportam partículas brilhantes de gelo do anel F,
Neste relatório, analisamos os melhores avistamentos de ovnis no espaço, mas existem centenas de casos que foram deixados de fora. Até hoje, qualquer pessoa pode mergulhar nos servidores da NASA, tentar ampliar os tiros e encontrar novas anomalias nas fotografias que fizeram desta etapa da história um tempo de descobertas científicas no espaço ... inclusive objetos impossíveis que flutuam nos portões da terra. Na verdade, você pode ser a próxima pessoa a descobrir algumas novas evidências desses OVNIs que parecem acompanhar cada uma das missões dos programas espaciais e que são descaradamente exibidos com um interesse aparente em conhecer ou controlar as ações dos astronautas no espaço mais próximo da Terra. Ou, pelo menos, deixar a foto.
leia mais...

OVNIs SAINDO DA LUA EM FROTA, SERIA A LUA UMA BASE?

image
Vídeo feito pela Nasa flagra uma frota de OVNIs decolando da Lua, se não são discos voadores extraterrestres o que é ?
leia mais...

Satélite da NASA capturou o misterioso Planeta Negro 'Rahu' na escuridão atrás do Sol?

O que está acontecendo com o satélite SOHO LASCO C3? As imagens capturadas em 23 de agosto de 2017 mostram em um ponto de completa escuridão atrás do Sol, o que parece um planeta gigante no escuro que desaparece imediatamente.

Satélite da NASA capturou o misterioso Planeta Negro Rahu na escuridão atrás do Sol

Poderia ser o sol preto 'Rahu'? Segundo os mitos antigos, "Rahu" é o terceiro corpo celestial que eclipsa o sol e a lua.
As civilizações antigas sabiam o que era esse fenômeno observando as estrelas, mas, nos tempos modernos, algumas pessoas diziam que foi mantida em segredo pelos governos.


-
De acordo com a Astronomia Védica, o sistema mais antigo e preciso de astronomia no planeta, 'Rahu' é uma das navagrahas (nove planetas) e os eclipses solares não são causados ​​pela lua que se aproxima do sol como acreditam os astrônomos, em vez de No momento de um eclipse solar, o planeta escuro 'Rahu' vem entre o sol e a terra.


-
Se o planeta negro 'Rahu' descrito na astronomia védica e na tradição hindu, como um círculo escuro que engole o sol causando eclipses, é um mito ou não, o misterioso objeto circular no escuro atrás do sol, capturou dois dias após o total Eclipse solar sobre a América, certamente dá origem ao mito antigo.

-
-
FONTE
leia mais...

MAIS POPULARES

ULTIMAS ATUALIZAÇÕES

 
Copyright © 2014 UFO ALIEN E SOBRENATURAL • All Rights Reserved.
Template Design by ORIGINAIS OADM • Powered by Blogger
back to top